Etilômetro – Como funciona e qual é o limite

etilômetro, também conhecido com bafômetro permite detectar a quantidade de álcool presente no sangue. Etilômetro – Como funciona e qual é o limite!

Etilômetro – Como funciona e qual é o limite

No Brasil, o etilômetro é popularmente chamado de bafômetro e é muito associado à ação policial em testes com motoristas suspeitos de embriaguez.

Estes dois nomes podem confundir as pessoas, mas não há nada demais: o termo bafômetro é simplesmente uma forma popular de chamar o aparelho. Em Portugal, por exemplo, ao invés de bafômetro, a ferramenta é chamada de “balão”.

Alguns especialistas apontam que o nome “bafômetro” é tecnicamente incorreto em relação ao funcionamento do aparelho. Ele sugere que o teste é realizado a partir do hálito do indivíduo, por ser soprado através da boca, por meio de uma “baforada”.

Na realidade, o ar utilizado no teste vem diretamente do pulmão, logo após estar em contato com o sangue da pessoa, que pode ou não estar com dosagens de álcool.

Etilômetro – Como funcionaEtilômetro - Como funciona e qual é o limite

O ar do pulmão está em contato direto com o sangue do indivíduo, e, se ele tiver ingerido álcool, este ar carregará partículas de álcool ao sair do corpo da pessoa.

Ao soprar no etilômetro, a pessoa injeta o ar de seus pulmões em direção a uma célula combustível, que reage de maneira determinada ao álcool.

Essa reação gera uma determinada quantidade de elétrons, que é mais alta de acordo com a maior quantidade de álcool contido na reação em questão.

Estes elétrons tornam-se uma corrente elétrica, interpretada por um outro dispositivo dentro do aparelho, que faz uma conversão entre a corrente elétrica e a quantidade de álcool que estima-se haver na corrente sanguínea do indivíduo testado.

Qual é o limite de álcool aceitável pelo etilômetro?

A partir de 29 de janeiro de 2013 a lei ficou mais rígida para a tolerância de álcool no organismo.

Agora o limite para que o condutor não seja multado é de 0,05 mg de álcool por litro de ar.

Para exames de sangue, a resolução estabelece que nenhuma quantidade de álcool será tolerada. O limite anterior era de 2 decigramas de álcool por litro de sangue. A infração continua classificada como gravíssima e o valor da multa é de R$ 1.915,40, além de o motorista ficar impedido de dirigir por um ano.

Estão mantidos, na resolução, os limites estabelecidos na lei que definem quando o motorista embriagado incorre em crime de trânsito.

A tolerância continua de 0,34 miligramas de álcool por litro de ar ou de 6 decigramas por litro de sangue. A pena para esse crime é de detenção de seis meses a três anos, multa e suspensão temporária da carteira de motorista ou proibição permanente de se obter a habilitação.

Fonte: http://g1.globo.com/politica/noticia/2013/01/contran-endurece-tolerancia-quem-flagrado-dirigindo-apos-beber.html

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *