Dor e pressão no peito perfura ansiedade

Ao ser diagnosticado com distúrbios de ansiedade a pessoa deve procurar ajuda especializada, as terapias são a melhor opção na maioria dos casos. Mas antes é preciso compreender os sintomas da crise de ansiedade, afinal eles são diferentes para cada pessoa.

Dor e pressão no peito perfura ansiedade

Entre os sintomas causados pelas crises de ansiedade, a dor no peito está entre os mais preocupantes. É comum também que as dores venham acompanhadas de falta de ar, náuseas e formigamento nos membros, com isso a pessoa começa a achar que tem algum problema relacionado ao coração, ou que está tendo um princípio de infarto.

Algumas pessoas chegam a procurar a emergência do hospital, com tanta dor no peito que acham que estão morrendo. Fazem diversos exames e não encontram problema nenhum do coração.

Por isso é preciso acompanhamento médico para saber do que se trata realmente a dor, afinal as duas dores são extremamente parecidas, mas apenas com exames é possível identifica-las corretamente. E quando a pessoa está em crise diferenciar essa dor sem erros, pode ser mais complicado.

É importante destacar que se a pessoa faz exames cardiológicos regularmente e não foi constatado nenhum tipo de problema no coração, mas ela sofre de distúrbios de ansiedade, com certeza essa dor aguda no peito é um sintoma físico da ansiedade.

Nesses casos estima-se que aproximadamente 90% dos casos de dores no peito, não tenham nenhuma relação com problemas cardíacos.

Por isso é importante procurar ajuda de um psicólogo para que ele indique qual as melhores terapias para o seu caso, com o avanço desse tratamento a tendência é que as dores diminuam.

 

Como é a dor no peito de ansiedade?

Dor e pressão no peito perfura ansiedade

 

Essa dor é no peito ou pressão exagerada geralmente está localizada sobre o coração, é descrita na maioria dos casos como sendo uma dor aguda, que aumenta quando a pessoa respira. Essa dor dura entre 5 a 20 minutos. Também pode vir acompanhada de palpitações, falta de ar, tontura, formigamento nos membros e pode ficar pior se aplicada pressão no peito com as mãos.

Já a dor no peito proveniente de um ataque cardíaco são mais intensas, praticamente insuportáveis, impossibilitando a pessoa de se mover, além disso a localização dessa do é diferente, ela se concentra no centro do peito, enquanto numa crise de ansiedade, a dor costuma ser acima do coração no lado esquerdo.

Diversos casos de síndrome do pânico também relatam sintomas mentais que merecem atenção, inclusive dores no peito.

 

Como evitar?

 

A melhor maneira de controlar as dores no peito é através da prevenção. Ou seja, através de tratamento e acompanhamento, assim os sintomas são reduzidos gradualmente. Então, quanto menos ansiedade você tiver, menos ataques ou crises surgirão.

É um trabalho muitas vezes lento, depende muito de como a pessoa encara a terapia e as orientações, a melhora não é notada da noite para o dia, é preciso persistência e força de vontade para ter paciência e conseguir esperar a melhora.

 

Durante uma crise é preciso seguir algumas medidas de precaução que podem ajudar a superar momentaneamente o problema da dor e pressão no peito.

Procure controlar a respiração

 

  • Procure controlar a respiração – em geral as dores no peito são causadas pela hiperventilação. Respire lentamente, de forma controlada, inspire e expire com calma, fique cerca de 15 segundos fazendo cada processo deste, em poucos minutos a dor diminuirá. Quando a pessoa consegue controlar a respiração ela se sente um mais calma e dor diminui.

 

  • Procure controlar os pensamentos – isso mesmo, é preciso controlar os pensamentos, principalmente os negativos. Se você já sabe que não tem problemas do coração e sofre de distúrbio de ansiedade, não é necessário se preocupar e agravar a crise à toa.

 

  • Lembre-se: quanto mais pensamentos negativos, estresse, preocupação, medo e pânico você sentir a dor vai piorar, é preciso desfocar sua atenção.

 

Previna-se, procure ajuda médica, faça exames e diminua os sintomas físicos da ansiedade.

Texto de Claudinei Demez,

http://psicanaliseonline.net.br/

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *