Conheça o teste para saber se você é um dependente emocional!

dependência emocional
Ao invés de álcool ou drogas podemos sofrer também de dependência emocional por uma pessoa, um cônjuge, namorado (a), amigo (a), etc. Faça o teste de dependência emocional!

 

Conheça o teste para saber se você é um dependente emocional!

Não consigo / Não mereço

Livre-se da dependência emocional!
Se você não consegue tomar uma decisão sem ter alguém para lhe dar dicas, acha que não merece uma oportunidade de promoção ou de ter um bom cargo, não vai ao médico sem acompanhante, não veste uma roupa sem questionar se sua amiga usaria a mesma coisa, considera que qualquer objeto de luxo jamais ficaria bem em você: Você pode ser dependente emocional.

 

O que é dependência emocional

 
Você já deve ter conhecido algum alcoólatra ou usuário de drogas, provavelmente deve ter percebido que tais pessoas quando se vêem longe da substância que são dependentes ficam ansiosas, tristes, desanimadas e com a sensação de que estão desprotegidas e indefesas. Pessoas assim só parecem estar bem consigo mesmas quando estão sob o efeito dos seus vícios. A dependência emocional é exatamente assim, porém ao invés de álcool ou drogas temos uma pessoa que pode ser um cônjuge, namorado (a), amigo (a) ou parente.
 
Muita gente acredita que o apego que sentem por uma determinada pessoa é amor. Entretanto o amor é algo que te faz se sentir bem, torna feliz e confiante. A dependência emocional é como um vício, mesmo sabendo que ele te prejudica você não consegue abandoná-lo.
 
Quando a culpa é da formação recebida
 
É possível que o dependente emocional não tenha recebido em sua formação oportunidades de treinar a independência. Pais que protegem demais podem passar, inconscientemente, a informação de que o filho é um incapaz que nunca conseguirá fazer nada sozinho. Há várias formas de proteção que atrapalham o desenvolvimento da independência, uma delas é fazer tudo pelo filho, arrumar seu quarto, guardar seus brinquedos, não dar nenhuma responsabilidade a ele.
Pais que consideraram seu filho frágil também poderão passar, mesmo que não tenham a intenção, a mensagem de que eles jamais conseguirão, e nem merecem, realizar coisas bacanas em suas vidas e formação um futuro adulto “muito humilde” que nada mais é do que um dependente emocional pois precisará constantemente de pessoas que lhe digam que ele pode fazer coisas interessantes como por exemplo: Iniciar amizades, paquerar, compras, cursos interessantes, uma carreira de alto nível, etc.
 
Uma forma que os pais, sem querer, podem passar a mensagem de que os filhos são incapazes é decidir por eles qual carreira seguirão – fica pior ainda quando escolhem uma carreira abaixo do nível da capacidade do filho, que amigos terão, onde irão nos finais de semana.
 
Para superar limitações impostas por uma educação restritiva é necessário que se faça a reestruturação de seu autoconceito.
 

Quando a culpa é da sua própria personalidade dependente

 
Haverá casos onde os pais não tiveram participação nesta dependência emocional, mas por características de personalidade da própria pessoa ela terá comportamentos dependentes. Ainda assim há formas de mudar estes pensamentos limitantes e conquistar seu lugar no mundo sem precisar ficar agarrado ao apoio alheio. Uma psicoterapia bem feita com um psicólogo competente lhe fornecerá todas as ferramentas.
 

Amigos mantém a dependência

 
Não tem nada mais reconfortante do que ter um amigo que conta conosco. Mas o que a maioria não percebe é que ser sempre o “ponta firme” do amigo só contribui para a manutenção da dependência emocional. Se o dependente não usar as oportunidades oferecidas pela vida para ir, mesmo que aos poucos, colocando sua cara no mundo, a tendência é que o quadro piore dia a dia. Pois a cada ajuda recebida vêm a informação de que “não consigo nada sozinho mesmo”.
 
Avalie a possibilidade de ser um dependente emocional.
 

Teste da dependência emocional

 
( ) Considera que coisas boas não são para você como por exemplo um bom cargo ou ter a amizade ou namoro com a pessoa mais interessante do grupo.
 
( ) Acha que suas decisões são sempre inferiores do que as decisões tomadas por seus conhecidos.
 
( ) Por mais que você se esforce acha que jamais seu chefe o verá como um profissional competente que merece elogios e reconhecimento.
 
( ) Está sempre achando que sua roupa não é adequada.
 
( ) Acha que não tem bom gosto e que por isso não deveria decidir por sua roupa ou decoração de sua casa.
 
( ) Sente-se mais confortável quando lhe dizem o que fazer ou falar.
 
( ) Na maior parte das vezes permite que escolham por você seu prato no restaurante ou o filme que irão ver no cinema.
 
( ) Considera que é mais vantajoso permitir que outro decida por você e que mesmo quando outro decide errado é menos doloroso do que encarrar sua própria decisão errada.
 
Se você se enquadra nestes critérios acima leia o artigo: 
 

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *