Confusão Mental – A prisão do ego

mente

A confusão mental é um estado psíquico que nos leva à distorcer a visão da realidade e ofusca a compreensão de nós mesmos, o que reflete em ações e comportamentos incompatíveis com a verdadeira natureza das coisas e reações desproporcionais com o mundo exterior. O estado psíquico confuso e distorcido incapacita a identificação do comportamento que poderia encontrar a felicidade e evitar o sofrimento.



Confusão Mental

A Prisão do ego

Temos dificuldade em olhar sinceramente para o nosso interior por dois motivos: por sermos incapazes de olhar as coisas como elas são e buscarmos enxergá-las como gostaríamos que elas fossem ao capricho da conveniência, e por carregarmos um monte de verdades absolutas a respeito das coisas e das pessoas, na qual não colocamos em dúvida e não permitimos o questionamento, criando rótulos e expectativas falsas.

poder da mente


As percepções mentais enganosas e atribuições falsas da realidade

Acreditamos que vemos as coisas como elas são e que a nossa opinião é a mais importante e válida, atribuímos qualidades e determinamos o que é “bonito” e o que é “feio”, o que é “bom” e o que é “ruim”, baseados na nossa consciência. Esquecemos que a nossa mente confere as coisas somente os atributos que percebemos através de nossos sentidos e percepções, e não como realmente são.

Selecionamos o “desejável” e eliminamos o “indesejável” baseados no nosso julgamento a respeito das coisas, valorizamos o que é passageiro e individualizamos as relações interdependentes e que se transformam a todo tempo. Olhamos as coisas sobre um aspecto particular os eventos de nossa vida, as pessoas e as situações. Dessa forma é que criamos os rótulos de nossas vidas. Rotulamos tudo a todo tempo.

Se uma coisa fosse verdadeiramente bonita e agradável, ela seria assim o tempo todo e em todos os lugares. Mas há algo nesse mundo que é tido como bonito por todos e o tempo todo? Será que não depende do ponto de vista, da circunstância, dos aspectos peculiares, etc?

Ensinamento Budista

Um verso budista diz assim: “Para aquele que ama, a bela mulher objeto de desejo; para o eremita, é uma tentação; para o lobo, uma boa refeição.”

Assim, se algo fosse extremamente ruim e repulsivo, todo mundo o evitaria. Mas tudo muda, tudo se transforma, e o que fica é o nosso julgamento a respeito de algo que pode ter sido algum dia mas que hoje não é mais como era antes. Ora se as coisas mudam o tempo todo, o nosso entendimento a respeito delas também não devem mudar?


O que traz benefícios à nossa mente?

O que traz benefícios à nossa mente, não são as qualidades dos objetos, mas o próprio estado vibracional em que a mente se encontra. O belo e o feio, desejável e indesejável são só atribuições da nossa mente e não uma verdade absoluta e imutável.

Uma pessoa que não gostamos ou que talvez percebemos como inimiga, para outra pessoa é objeto de afeição. Muitas vezes costuma não gostar de alguém sem antes conhecer, apenas pela prévia impressão. Estas dinâmicas se repetem ao longo da vida e perdemos grandes oportunidades de crescimento por compreender o funcionamento da nossa mente e do mundo real. Acreditamos no nosso mundo e não no mundo como ele é.

Assim, distanciamo-nos da realidade e somos levados por nossos julgamentos e por mecanismos de atração e repulsão causados por nossas projeções mentais.

Nossos conceitos e verdades imutáveis tornam as coisas artificiais e sem conteúdo real, congelam a nossa capacidade de criação e limitam a nossa liberdade interior de ser. Perdemos a capacidade de fluir naturalmente na vida e nos tornamos reféns encarcerados na prisão mental e emocional, como a água que deixa de correr naturalmente para tornar-se gelo.

mente e ego


Libertando-se da prisão mental

Duvide dos pensamentos, questione sempre, analise os pontos de vista, deixa a imaginação fluir seguida do bom senso e não de paradigmas. Busque resignificar as coisas sem formular idéis fixas e limitadas a respeito de qualquer assunto. A liberdade mental está em criar sem parâmetros e critérios.

O que aprisiona a mente são as imposições externas que são materiais e limitadas e a mente não se detém a matéria, ela é isenta do tempo e do espaço.

A autoanálise constante favorece o autoconhecimento do ser, renova as forças mentais e possibilita um melhor entendimento de nós mesmos e do mundo ao nosso redor.

por Rodrigo Longo
Primeiro, concebemos o “eu” e nos apegamos a ele.
Depois concebemos o “meu” e nos apegamos ao mundo material.
Como água cativa na roda do moinho, giramos em círculos, impotentes.
Presto homenagem à compaixão que envolve todos os seres.
CHANDRAKIRTI

Tweet

Veja Também!

Desintoxicando-se dos pensamentos, sentimentos e emoções

Tortura Psicológia – O que é e como interfere na nossa vida?

Reforma íntima

Dependência emocional – Muletas psicológicas

Ressaca moral – Complicações podem deixar sérias sequelas

Dados do Artigo:

Confusão Mental – A prisão do ego
Espiritualidade e psicologia

Entenda como funciona a nossa mente e as confusões psíquicas que distorcem as realidade e dificultam a compreensão de nós mesmos e das coisas!

Fontes:
http://budavirtual.com/2013/10/25/a-confusao-mental-nosso-ego/

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *