Cloridrato de Ciprofloxacino – Bula do remédio

Cloridrato de Ciprofloxacino

Cloridrato de Ciprofloxacino é um antibiótico muito usado para o tratamento das infecções urinárias, diarreias bacterianas e infecções da próstata. Conheça a bula do cloridrato de ciprofloxacino!

*Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Ciprofloxacino – Bula do remédio

O cloridrato de ciprofloxacino (ou ciprofloxacina) é um antibiótico da família das quinolonas, quimicamente semelhante a outras drogas da mesma família, como norfloxacino, ofloxacino, levofloxacino, moxifloxacino entre outros.

Nomes comerciais do ciprofloxacino

O ciprofloxacino é um antibiótico já existente no mercado há muitos anos. Você pode adquiri-lo sob a forma genérica ou pelos vários nomes comerciais disponíveis, incluindo:

– Bactoflox.

– Ciflox.

– Cinoflax.

– Cipro.

– Ciprobiot.

– Ciprocin.Cloridrato de Ciprofloxacino

– Ciproxil.

– Cirok.

– Cypro.

– Procin.

– Proflox.

– Quinoflox.

O cloridrato de ciprofloxacino é habitualmente comercializado em comprimidos de 250 mg, 500 mg, 750 mg ou 1000 mg.

Como tomar o ciprofloxacino

Como acontece com a maioria dos antibióticos, a dosagem e tempo de uso dependem de qual infecção estamos lidando. A dose máxima para adultos habitualmente indicada é de 1500 mg por dia.

As indicações mais comuns para o uso da ciprofloxacina são as infecções urinárias. Nas cistites, a dose recomendada é de 250 mg a 500 mg de 12/12 horas. O tratamento dura 3 dias nas mulheres e 7 dias nos homens (leia: TRATAMENTO PARA INFECÇÃO URINÁRIA). Na pielonefrite, o tratamento é feito com 500 mg de 12/12 horas por 7 a 14 dias. Nas formas graves, a via intravenosa é a mais indicada.

Nas diarreias infecciosas, o tratamento é feito habitualmente com 500 mg de 12/12 horas por 3 a 7 dias, dependendo do agente bacteriano causador da infecção.

Os casos de prostatite aguda ou crônica são tratados com ciprofloxacino 500 mg de 12/12 horas por 4 a 6 semanas.

Habitualmente, a bula do cloridrato de ciprofloxacino também indica o antibiótico para o tratamento da gonorreia ou de infecções do trato respiratório. Porém, há no mercado várias opções mais efetivas para essas infecções, fazendo com que, na prática, o cipro acabe sendo somente a 3ª ou 4ª opção nestes casos.

O ciprofloxacino pode ser tomado com estômago cheio ou vazio.

Ciprofloxacino – Indicações

Infecções complicadas e não complicadas causadas por microrganismos sensíveis ao Ciprofloxacino.

− Trato respiratório: o cloridrato de Ciprofloxacino pode ser considerado como tratamento recomendável em casos de pneumonias causadas por Klebsiella, Enterobacter, Proteus, E. coli, Pseudomonas, Haemophillus, Branhamella, Legionella e Staphylococcus. O cloridrato de Ciprofloxacino não deve ser usado como medicamento de primeira escolha no tratamento de pacientes ambulatoriais com pneumonia causada por Pneumococcus.

− Ouvido médio (otite média) e seios paranasais (sinusite), especialmente se a infecção for causada por organismos Gram-negativos, inclusive Pseudomonas e Staphylococcus.

− Olhos.

− Rins e/ou trato urinário eferente.

− Órgãos genitais, inclusive anexite, gonorreia e prostatite.

− Cavidade abdominal (ex., infecções bacterianas do trato gastrintestinal ou do trato biliar e peritonite).

− Pele e tecidos moles.

− Osso e articulações.

− Sepse.

 

Contra-indicações de Ciprofloxacino

O cloridrato de Ciprofloxacino não deve ser usado em casos de hipersensibilidade aos derivados quinolônicos.

Advertências

Uso pediátrico – como outras drogas de sua classe, o Ciprofloxacino demonstrou ser causa de artropatia em articulações que suportam peso em animais imaturos. A análise dos dados de segurança disponíveis a respeito do uso de Ciprofloxacino em pacientes com menos de 18 anos de idade, em sua maioria portadores de fibrose cística, não revelou qualquer evidência de danos a cartilagens ou articulações. O uso de Ciprofloxacino em outras indicações que não o tratamento da exacerbação pulmonar aguda da fibrose cística associada à infecção por Pseudomonas aeruginosa não é recomendado.

Sistema gastrintestinal – se ocorrer diarreia grave e persistente durante ou após o tratamento, a administração de cloridrato de Ciprofloxacino deve ser interrompida, já que esse sintoma pode ocultar doença intestinal grave (colite pseudomembranosa, com possível evolução fatal) que exija tratamento adequado imediato. Nesses casos, o Ciprofloxacino deve ser descontinuado e deve ser iniciada terapêutica apropriada (por ex., vancomicina por via oral, na dose de 250 mg, quatro vezes por dia). Medicamentos que inibem a peristalse são contraindicados.

Pode ocorrer um aumento temporário das transaminases e da fosfatase alcalina, ou icterícia colestática, especialmente em pacientes com doença hepática anterior.

Sistema nervoso – em pacientes portadores de epilepsia ou com distúrbios do Sistema Nervoso Central (SNC) (ex., limiar convulsivo reduzido, antecedentes de convulsão, redução do fluxo sanguíneo cerebral, lesão cerebral ou acidente vascular cerebral), o cloridrato de Ciprofloxacino deve ser administrado se os benefícios do tratamento forem superiores aos possíveis riscos, por eventuais efeitos colaterais sobre o SNC. Em alguns casos, essas reações ocorreram logo após a primeira administração de cloridrato de Ciprofloxacino. Raramente podem ocorrer depressão ou reações psicóticas, que possam evoluir para um comportamento de auto exposição a riscos. Nesse caso, cloridrato de Ciprofloxacino deve ser suspenso.

Hipersensibilidade – em alguns casos, reações alérgicas e de hipersensibilidade podem ocorrer após a primeira administração. Raramente reações anafiláticas ou anafilactoides podem progredir para um estado de choque, com risco de vida em alguns casos, após a primeira administração. Em tais circunstâncias, a administração de cloridrato de Ciprofloxacino deve ser interrompida e instituir-se tratamento médico adequado (ex., tratamento para choque).

Sistema musculoesquelético – ao primeiro sinal de tendinite (por exemplo, distensão dolorosa), a administração de cloridrato de Ciprofloxacino deve ser suspensa e evitados os exercícios físicos. Em alguns casos, durante a administração de cloridrato de Ciprofloxacino predominantemente em pacientes idosos em tratamento sistêmico anterior com glicocorticoides, observou-se aquilotendinite, que pode ocasionar a ruptura do tendão de Aquiles.

Pele e anexos – o Ciprofloxacino pode induzir reações de foto sensibilidade na pele. Portanto, deve-se evitar a exposição direta e excessiva ao sol ou à luz ultravioleta. O tratamento deve ser descontinuado se ocorrer foto sensibilização.

Habilidade para dirigir veículos e operar máquinas – a capacidade de reagir prontamente às situações pode ser alterada, comprometendo a habilidade de dirigir veículos ou operar máquinas. Tal fato ocorre principalmente com a ingestão concomitante de álcool.

O cloridrato de Ciprofloxacino não deve ser prescrito a mulheres grávidas ou lactantes, já que não há experiência sobre a segurança da droga nesses pacientes; além disso, com base em estudos realizados com animais, não é de todo improvável que o medicamento possa causar lesões na cartilagem articular de organismos imaturos. Estudos feitos com animais não evidenciaram efeitos teratogênicos.

Precauções

O uso prolongado do Ciprofloxacino pode ocasionalmente favorecer a infecção por microrganismos não sensíveis, inclusive fungos. Se ocorrer superinfecção, deverão ser tomadas medidas apropriadas.

Recomenda-se examinar periodicamente o paciente pela biomicroscopia com lâmpada de fenda e, quando apropriado, utilizando coloração de fluoresceína.

O Ciprofloxacino deve ser descontinuado ao primeiro sinal de rash cutâneo ou qualquer outra reação de hipersensibilidade.

O produto somente deverá ser utilizado na gravidez ou no período de amamentação quando, a critério médico, o benefício para a mãe justificar o risco potencial para o feto ou a criança.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Ciprofloxacino

O ciprofloxacino é uma droga com boa tolerabilidade, com baixa incidência de efeitos colaterais.

Entre os efeitos adversos mais descritos estão a diarreia (comum em quase todos os antibióticos), que ocorre em até 5% dos pacientes. Outros efeitos comuns incluem náuseas, tonturas, dor abdominal, rash de pele e dor de cabeça.

Assim como ocorre com outro antibióticos, a ocorrência de candidíase vaginal também pode ser uma complicação do tratamento com a cipro.

Nos últimos tem sido descrito com alguma frequência casos de lesão do tendão aquiles secundários ao uso do ciprofloxacino. O risco de lesão dos tendões é maior em pacientes idosos ou que fazem uso crônico de glicocorticoides. Doses excessivas do antibiótico também aumentam o risco.

Nos pacientes com insuficiência renal, a dose deve ser ajustada de acordo com a taxa de filtração glomerular para evitar intoxicação pela droga.

(POMADA E SOLUÇÃO OFTÁLMICA)

A reação adversa mais comum foi ardência ou desconforto local. Nos ensaios clínicos envolvendo pacientes com úlcera de córnea bacteriana, com administração frequente da droga, foi observado o aparecimento de um precipitado branco cristalino na porção superficial da córnea em 16,6% dos pacientes (35 em 210 pacientes). O precipitado não impediu a continuação do tratamento, nem afetou adversamente o curso clínico da úlcera ou a acuidade visual.

Outras reações, ocorrendo em menos que 10%, incluíram formação de crostas na margem da pálpebra, sensação de corpo estranho, prurido, hiperemia conjuntival e mau gosto na boca após a instilação. Em menos de 1% dos pacientes, ocorreram manchas na córnea, ceropatia/ceratite, reações alérgicas, edema de pálpebra, lacrimejamento, fotofobia, infiltrado corneano, náusea e declínio na acuidade visual.

Dizeres legais

VENDA SOB A PRESCRIÇÃO MÉDICA

SÓ PODE SER VENDIDO COM RETENÇÃO DA RECEITA

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Fontes:

http://www.mdsaude.com/2013/10/ciprofloxacino.html

http://www.medicinanet.com.br/bula/detalhes/1437/indicacoes_ciprofloxacino.htm


Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *