A universidade é um ambiente propício para o consumo de drogas?

Drogas na Universidade

Estudo confirma que os estudantes de ensino superior são a parcela da população que mais consome drogas. Mas, será que o meio acadêmico é propício para o consumo de entorpecentes? Saiba mais…

Segundo especialistas, os jovens costumam ir contra a rigidez acadêmica, e o uso de drogas – lícitas ou não – é uma das formas de se contrariar o sistema.

Como o próprio nome sugere, a universidade compreende uma pluralidade de saber, cultura e inovação. Como se trata de um campo tão diversificado, é inevitável que as drogas também estejam presentes. Pelos corredores ou até mesmo nas salas de aula não é de se estranhar a famosa “maresia”, descrita pelo compositor Gabriel, o Pensador. Mas, será que o meio acadêmico é propício para o consumo de entorpecentes?

A secretaria nacional de Políticas sobre Drogas divulgou em dezembro de 2010 o primeiro levantamento nacional sobre uso de álcool, tabaco e outras drogas entre universitários das 27 capitais brasileiras. O estudo confirma que os estudantes de ensino superior são a parcela da população que mais consome drogas. A pesquisa aponta que 48,7% dos universitários entrevistados usaram drogas ilícitas. Na população brasileira, o índice é de 22,8%, segundo levantamento geral realizado em 2005.

Em 1960, o movimento denominado contracultura, iniciado nos Estados Unidos, ganhou força. Com estilos inovadores, jovens afirmavam suas identidades por meio dos festivais de rock, consumo de drogas e postura underground (fora dos padrões comerciais). O filme Os Sonhadores (2003), do diretor italiano Bernardo Bertolucci ilustra bem esse contexto social de 1968. Segundo Gilberto Damasceno, cientista político e coordenador da pós-graduação de dependência química da PUC Minas, hoje, a droga está inserida na vida dos jovens de outra forma.

“A droga, principalmente na década de 1960, estava incorporada ao movimento da contracultura. Hoje, o sentido desse consumo mudou. A droga apresenta-se como uma forma de status de consumo. A única droga que circula nesse contexto da contracultura é a maconha, que é considerada dos dissociados do capitalismo. São aqueles que ainda querem recuperar algum elemento do movimento hippie, da natureza. Só que, hoje, a maconha está mais ligada ao aspecto de relaxamento do que a movimentos de contracultura”, explica Gilberto Damasceno.

Drogas na Universidade

Para o psicólogo Gilberto Diniz, a universidade pode ser considerada, sim, um meio propício para a primeira experiência com as drogas. “Os indivíduos, ao ingressarem em uma faculdade, levam a ideia da liberdade de expressão, da autonomia e da maturidade. Por meio do contato com o saber, com a ciência e com pessoas do meio acadêmico, o sujeito se sente amparado e dono de um controle de sua própria vida. É um ambiente que, na maioria das vezes, é utilizado para aliviar toda a repressão que o sujeito sentiu, até então, em relação aos locais de ensino”, mostra o especialista.

Testando limites

De acordo com o cientista político, os jovens estão ligados às drogas pelo perfil comportamental dessa faixa etária. “O jovem é um sujeito experimentador, que permite extrapolar os seus limites. E a vida se apresenta como um mito extremamente entediante para ele. Trabalho, responsabilidade e ganho de dinheiro. São pontos que não são motivadores centrais para o jovem em sua grande maioria. Então, a droga é usada porque é prazerosa. É uma forma de socialização, de inclusão nos grupos”, analisa Gilberto Damasceno.

Como se sabe, o exagero no consumo de bebidas alcoólicas é uma prática muito comum nas festas universitárias. Em fevereiro deste ano, um jovem mineiro de 23 anos morreu após ingestão excessiva de álcool em um evento promovido por estudantes de várias repúblicas da cidade de Bauru, em São Paulo. Humberto Moura Fonseca cursava engenharia elétrica na Universidade Estadual Paulista e participou de uma competição que incentivava a ingestão de álcool.

O psicólogo Gilberto Diniz explica como o convívio em grupo pode influenciar nos exageros: “A identidade de grupo é, na maioria das vezes, mais forte do que a sua própria identidade. Quando um grupo partilha de uma mesma identidade, a repercussão disso é poderosíssima e é denominada instinto social. É uma forma de promover certos comportamentos em determinadas situações específicas. Quanto mais gente estiver fazendo a mesma coisa, mais pessoas se juntarão e passarão a fazer o mesmo. Ao repetir certo comportamento, ele vai ganhando mais força”.

Fonte: ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)

Extraído de: http://www.antidrogas.com.br/mostraartigo.php?c=4505&msg=A%20universidade%20%E9%20um%20ambiente%20prop%EDcio%20para%20o%20consumo%20de%20drogas

 

Busque ajuda!

Muitas vezes, devido ao consumo do álcool e/ou droga, o usuário coloca em risco aspectos importantes de sua vida, tais como família, emprego, saúde. Além disso pode não perceber os problemas decorrentes deste uso ou mesmo negá-los. Nesses momentos, não é raro os membros da família apresentarem sentimentos de raiva ou impotência frente ao usuário ou a situação.

Essas ocasiões deveriam se transformar em buscas de ajuda em unidades de saúde, conversas com um profissional e pessoas de referência na sua comunidade, adesão a grupos de ajuda e cursos.

Dependência Química:Como lidar?

Para lidar com um dependente químico, primeiro é preciso conhecer a doença, os sintomas de abstinência, a prevenção de recaídas e as questões psíquicas e emocionais que envolvem a dependência química.

A família é parte importante na recuperação do dependente químico e é a mais indicada para auxiliá-lo. Graças compreensão e a criatividade baseada na afetividade, ele mesmo poderá encontrar uma saída para a enrascada na qual se meteu, muitas vezes sem querer ou sem saber por quê!

Busque informações corretas sobre as drogas, pois os filhos deixam de acreditar no que os pais dizem quando percebem que as informações repassadas não correspondem à realidade.

Aqui você encontra alguns cursos completos sobre como lidar com a dependência química, e assim poder ajudar o dependente químico. Vale a pena fazer!

Conheça os cursos sobre a Dependência de Cocaína, Crack, Álcool e Maconha!

COMECE AGORA!

Curso – Dependência de Cocaína e Crack: como lidar?
O curso “Dependência de Cocaína e Crack: como lidar?” é direcionado ao público geral, desde profissionais da área da saúde, educação a pais de dependentes químicos. Curso de fácil compreensão. Textos, vídeo aula, vídeos sobre o tema, textos complementares e questionários. Mais informações >>

 

Curso Dependência de Álcool: como lidar?Curso Dependência de Álcool: como lidar?

É direcionado ao público geral, desde profissionais da área da saúde, educação a pais de dependentes químicos. Desenvolvido com linguagem rápida e de fácil compreensão. Leituras de textos, vídeo aula, vídeos sobre o tema, textos complementares e questionários. Mais informações >>

Dependência de Maconha: como lidar?Dependência de Maconha: como lidar?

O curso “Dependência de Maconha: como lidar?” é direcionado ao público geral, desde profissionais da área da saúde, educação a pais de dependentes químicos ou a quem esteja interessado em expandir seus conhecimentos e aprender informações atuais e práticas sobre a dependência de maconha. Mais informações >>

 

Para saber mais informações ou esclarecer dúvidas entre em contato conosco: sossobriedade@gmail.com

 

 

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *