Quem é o dependente químico?

O dependente químico: racionaliza sua dependência em termos de uma ideologia de vida (ou morte”, como preferirmos denominá-la), ou seja, assume um delírio diferente em conteúdos daqueles que conhecemos nas psicoses, mas que é igual em sua estrutura.
Ler mais…





Na construção de um delírio se faz necessário: não responder ao juízo de realidade nem à prova de experiência e o sujeito vive de acordo com isso, suicidando-se a curto ou a longo prazo de acordo com tal ideologia delirante.

“O dependente químico: não consegue entrar em contato com seus sentimentos”

Justifica os momentos de excesso, como conseqüência de problemas que os outros vem causando. Deturpa a realidade. Acredita que o hábito está ligado ao momento atual de vida.

Dependência Química: Negação

“A negação é o maior obstáculo a ser superado, quando diante do problema da dependência química”

 “A negação aparece no usuário, na família, entre os amigos e até mesmo no ambiente de trabalho”

“Dependente Químico: todos se negam a ver o problema quando este surge e inventam desculpas” para o comportamento anti-social” que a pessoa passa a apresentar. Só quando superada a negação, é que se torna possível atuar de forma eficaz sobre o problema do abuso de drogas.

“O dependente químico: admite saber seu limite de consumo e de que pode parar quando quiser”, colocando os prejuízos num futuro muito distante, que não o atingirá. Tendência a minimizar o uso.

dependente químico:

Dependência Química: Infantilismo/Imaturidade emocional.

“O dependente químico: precisa da droga de acordo com o seu desejo”, ela é possuidora de um poder mágico de suprir todas as necessidades, projeta na droga a imagem idealizada.

Para Freud as origens da toxicomania devem ser procuradas na fase oral do desenvolvimento libidinal (fixação oral), daí a intolerância a espera na satisfação do desejo.

” Por alguma razão, o desenvolvimento emocional do dependente químico estaciona na época em que fez uso pela primeira vez”. Apesar dos anos passarem, das pessoas envelhecerem e do mundo girar, o dependente químico sempre continua naquele estado emocional infantil, egoísta, em busca de prazer e reclamando do mundo e de todos esperando apenas a morte e cheio de sonhos irreais, que o levam cada vez mais para longe da realidade.

Dependência Química: Depressão

Alterações do cérebro, em decorrência de danos causados pelo químico, podem determinar quadros de depressão na dependência química .

O mecanismo da drogadicção se encontra na encruzilhada entre a impotência e a depressão, de onde se origina um comportamento impulsivo de ingestão de dada substância, enquanto “droga eleita”.

“O dependente químico: é intolerante ao sofrimento, a dor. O uso de drogas produz um alto nível de auto-estima, mas como não é uma conquista real e sim imaginária”, quando passa o efeito a depressão que vem possui características cada vez mais devastadoras para o ego.

Dependência química: Megalomania

“Como o dependente químico: vive num mundo irreal, distorcido, seus projetos costumam ser grandiosos e tal como seu mundo completamente irreal.”

Se modificar ou modificar a realidade requer tempo, esforço e muitas outras condições. Fazê-lo na fantasia é fácil, imediato e só requer esforços insignificante.

“O dependente químico é incapaz de esperar ou projetar concretamente uma realização no futuro”

Dependência Quimica: Angústia

Um dos efeitos da droga é o de diminuir, em certas pessoas, os estados de angústia ou depressão, enquanto que em outras intensifica-os perigosamente.

“A droga tem a finalidade de eliminar a angústia da frustração”

Dependência química: Baixa auto-estima

O dependente químico tem uma necessidade inesgotável de amor e aprovação, é hipersensível a críticas e lhe falta confiança em si mesmo.

Possui uma dependência afetiva exacerbada.

Dependência Química: Frustração

Não consegue aceitar sem conflitos fatos, situações ou comportamentos que estejam fora das próprias expectativas ou desejo. Não consegue lidar com o NÃO, ou com resultados inesperados.

Dependência Química Imediatismo

“O dependente químico: quer a satisfação imediata do desejo, está sempre sob um sentimento de urgência”.

Dependência Química: Onipotência

“O dependente químico: se considera invulnerável e imortal: Vive a fantasia grandiosa de vencer a finitude”

Dependência Química: Desonestidade

 

Share

Quem é o co-dependente?

Os co-dependentes químicos, são seres humanos, visivelmente afetados, na maior parte das vezes, até fisicamente, pela convivência com um ou mais dependentes químicos. E tem uma enorme dificuldade em pedir e aceitar ajuda.

Ler mais…





          Os co-dependentes se fazem muitas perguntas:

Se a pré-disposição orgânica para desenvolver o abuso de drogas é do meu familiar, filho ou filha, como é que sou eu que preciso de ajuda ?
É meu marido ou minha mulher quem bebe, porque eu devo me tratar?

Quem é o co-dependente?

É o familiar, o colega de trabalho, o chefe, o amigo, é o vizinho, e todos que procuram remover as conseqüências dolorosas do abuso de drogas do dependente, para e pelo dependente, com a intenção de minimizar ou de esconder o ocorrido, facilitando a vida do dependente químico.

Todo aquele que está emocionalmente ligado e oferece seus sentimentos e sua vida para “proteger seu dependente”, visando impedir que comportamentos anti-sociais tornem-se transparentes, é um co-dependente.

E o co-dependente que age assim, escondendo os fatos que se constituem numa vergonha para todos por total desinformação, imagina que está ajudando, na realidade está ajudando a que possíveis pedidos de tratamentos e/ou internação sejam adiados.

É o famoso “CARROSSEL DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA: no centro, o dependente químico agindo e ao redor… os co-dependentes estão reagindo, todos estão vivendo em função do dependente. O dependente se droga, fica doidão e os outros reagem a sua drogadição e as suas conseqüências, o dependente responde as essas reações e se droga novamente, estabelecendo o carrossel da dependência química.

Os co-dependentes precisam ter coragem de colocar limites, fazendo parar de girar o Carrossel e de desligar-se emocional mente do dependente, e sentindo seu próprios sentimentos e vivendo suas próprias vidas. Como os co-dependente conseguirão entrar em recuperação ? Informando-se, fazendo psicoterapia , e sobretudo freqüentando as salas dos grupos de mútua ajuda , o ALANON, NARANON, AMOR EXIGENTE.

A partir da aceitação da co-dependência, realizam o maior ato de amor, conscientizaram-se de que a melhor ajuda e única possível é a mudança de nós. Fortaleceram-se. porque compreenderam, o que não é firme não pode servir de apoio.

O escritor Leon Tolstói escreveu:

“Todas as famílias que são felizes são iguais, mas cada família que é infeliz, o é a sua própria maneira”.

Para tanto apresentamos as duas famílias:

a família do dependente, antes ou seja, na drogadição e…
a família do dependente, depois ou seja, em recuperação.

1-A FAMÍLIA DO DEPENDENTE ANTES OU NA DROGADIÇÃO

A sua estrutura familiar é a seguinte:

• o segredo familiar em esconder o problema da dependência, a isso se isola e ainda não funciona direito.
• com o agravamento do dependente, os filhos ficam órfão de pais vivos.
• os co-dependentes são pessoas que amam demais o dependente.
• os co-dependentes criam novos comportamentos e papeis, para diminuir ou aliviar a sua dor.
• ocorre a generalização: a maioria dos familiares são atingidos pelo problema da dependência.
• não há comunicação entre os co-dependentes, ninguém não diz os seus sentimentos para outra pessoa.
• o certo e o errado é uma verdadeira confusão, usa-se muito os extremos (tipo: o dependente já está curado).
• procuram mentir, quando o mais fácil seria dizer a verdade.
• os co-dependentes se acham pessoas diferentes, pôr se acharem culpados.

2- A FAMÍLIA DO DEPENDENTE SÓBRIA – EM RECUPERAÇÃO

A família é calor mais respeito e mais disciplina, apontadas pelas características relacionadas:

• reconhece, identifica e afirma os seus sentimentos,
• ensina a ouvir atentamente e ativamente,
• permite que todos cresçam cada um no seu espaço,
• todos competem sem serem competitivos,
• reconhece e apoia o trabalho de cada um, e opera com amor.

Fonte: Psicóloga Márcia Viana – Recanto Maria Rereza – Cotia – SP

Share

Família que busca qualidade de vida e apoio para familiares que tem problemas.

Para pais e famílias que buscam maior Qualidade de Vida

Pais e famílias fem busca de apoio porque já têm problemas com os filhos e/ou familiares, eis o grande desafio do Amor-Exigente. Chegam machucados, sofridos, cheios de medo e de pudor… acabaram de ver confirmadas as suspeitas: seu filho está usando drogas! Ou, então, já tentaram tudo, e o Amor-Exigente é o último recurso.Ler mais…



Seus jovens passaram por um lento processo de desajustes: na escola, em casa, na rua, e estão chegando a um ponto insustentável. A família inteira está desestruturando-se, rapidamente. Nossa proposta é analisar profundamente os 12 Princípios básicos do AE e estabelecer, a partir deles, o alicerce do relacionamento dos pais com os filhos. Para isso, realizam-se reuniões semanais com o grupo de apoio, durante as quais os pais são informados, esclarecidos e orientados a não aceitar o comportamento agressivo e violento dos jovens. Essa não-aceitação acaba desencadeando no filho a decisão de mudar de atitude.

Fixar limites ou metas, semanalmente, com a ajuda e criatividade do grupo é o que dá coragem e condições de os pais, passo a passo, eliminarem a inadequação dos filhos.

Grupos ou Subgrupos de Frutos do AE

Para os dependentes químicos em busca de recuperação

O Amor-Exigente tem também grupos para jovens:
• Jovens sozinhos, procurando ajuda e orientação.
• Jovens trazidos pelos pais.
• Jovens procurando ajudar outros jovens.

Esse trabalho tem uma abordagem diferente, apoiada, porém, nos mesmos valores éticos e espirituais dos grupos de adultos.


Os 12 Princípios do AE, com a partilha e as metas semanais, irão reestruturar a vida do jovem.

Trataremos, noutro momento, desse trabalho e de sua organização. Entretanto, podemos adiantar que ele se destina especialmente a jovens que ainda não chegaram ao “fundo do poço”, ou seja, não atingiram grau insuportável de sofrimento e, portanto, continuam sentindo prazer com o uso abusivo de álcool e/ou outras drogas. Estão nos grupos não porque querem ajuda de fato, mas por outras diferentes razões: mesmo assim, no final, dá certo! Para você, para o casal, ou para o jovem: no final, dá certo!

Subgrupos de Cônjuges
Para os parceiros dos dependentes

O olhar de Amor-Exigente é humano e individualizado. Por isso, a necessidade da criação de subgrupos que tratem de questões segmentadas, como as dos Cônjuges de dependentes químicos e / ou de pessoas voltadas para outras compulsões.

Os companheiros, sejam esposas, namorados, noivos, parceiros vivenciam a relação com o dependente de uma forma diferenciada. A questões que são trabalhadas com os pais, não são as mesmas que afetam os parceiros. Portanto, por meio da mesma metodologia, o AE se propõe, através dos Subgrupos de Cônjuges, a auxiliar estas pessoas a cuidarem de sua codependência (transtorno que afeta os que convivem com situações caóticas, como a dependência química), encontrando qualidade de vida.

Dentro desta abordagem, o AE também conta com um grupo exclusivamente para mulheres que tiveram ou têm relacionamentos afetivos com dependentes. O objetivo é proporcionar um ambiente propício para que elas busquem voltar o olhar e o cuidado para si mesmas e estarem atentas à criação dos filhos que são frutos destas relações e que, por sua vez, precisam de atenção especial.

Subgrupos de Amor-Exigentinho
Para fazer prevenção com crianças e adolescentes

Para trabalhar a prevenção universal, diretamente com as crianças e adolescentes, o AE deu vida ao Amor-Exigentinho. A proposta, voltada para o público infanto-juvenil, utiliza os Princípios Básicos do Programa de forma lúdica, clara e objetiva, visando auxiliá-los a adotar atitudes responsáveis e saudáveis.

A espiritualidade também ganha espaço no trabalho que acontece , de forma itinerante, em escolas, Igrejas, ou em locais em que os pais estejam participando dos Cursos os Grupos de Prevenção com AE.

O Programa traz a música, a dança, o teatro, a literatura para configurar o pano de fundo para ensinamentos que promovem uma nova forma de viver baseada em valores morais, éticos, na qualidade de vida, na alegria e no amor.

Subgrupos de Sempre é Tempo
Para Adultos Maiores em busca de qualidade de vida

Motivados a apoiar pessoas mais velhas com a “síndrome do ninho vazio” ou com o desafio de cuidar dos netos enquanto os pais trabalham e/ou estudam, o AE ativou os subgrupos de “Sempre é Tempo”. Com a mesma programação – abertura de 40 minutos no Grupo e 80 minutos no Subgrupo, para metas e partilhas, o trabalhado é norteado pelos 12 Princípios Básicos, 12 Princípios Éticos e a Espiritualidade visando ajudar quem deseja ficar cada dia melhor.

Para mais informações acesse:
http://www.amorexigente.org.br

Share

O AMOR! MELHOR REMÉDIO PARA A FELICIDADE!

O amor é subime, manso e sereno
Não é egoísta, nunca se esquece, não tem veneno
É alegria, felicidade, transmite paz
É sem vingança, não tem orgulho, ódio jamais…
 Por Rodrigo Longo

O AMOR

Será que há como explicar?
Talvez, com gestos, sentidos, palavras… não sei
Só sei que o amor invade, preenche, semeia
Perdoa, não magoa, incendeia
O amor é subime, manso e sereno
Não é egoísta, nunca se esquece, não tem veneno
É alegria, felicidade, transmite paz
É sem vingança, não tem orgulho, ódio jamais
Será que um dia entenderemos o que é o amor?
Quem sabe! Pela alegria ou pela dor
Acreditamos compreender que o amor se entende
Talvez sabemos, não é ciência, o amor se sente
Texto: Rodrigo Longo

Share

VITÓRIA!!!

Tudo tem o seu começo

Tudo tem o seu fim

No caminho há tropeços

Mas a vitória está dentro de mim…

Por Rodrigo Longo

VITÓRIA

Tudo tem o seu começo

Tudo tem o seu fim

No caminho há tropeços

Mas a vitória está dentro de mim…

A vitória se conquista

Com batalhas, com coragem

Não tem data de chegada

A vitória está na jornada

Pelas perdas eu conquisto

Sigo em frente, não desisto

Caminhando e persistindo

Às vezes chorando, às vezes sorrindo

Dia e noite há esperança

Como a fé de uma criança

Com Deus nessa estrada

Há vitória na jornada

Texto: Rodrigo Longo

Share

SÓ POR AGORA!!!

O ontem eu perdi

O amanhã eu não conheço

O hoje é muito tempo

Tudo o que tenho é o agora

Ver mais…

Por Rodrigo Longo

SÓ POR AGORA!


O ontem eu perdi

O amanhã eu não conheço

O hoje é muito tempo

Tudo o que tenho é o agora

O que passou passou e o que está por vir está nas mãos de Deus

Vejo uma vida para caminhar

Quero sonhos pra sonhar

Penso em planejar

Mas o agora sim, sim eu posso mudar

Só por agora é o presente

Presente de Deus

Só por agora, esquece o passado

e o futuro pertence a Deus

Só por agora é a felicidade real

Felicidade que está dentro de mim

A felicidade está  no agora, nem no início e nem no fim

O ontem eu perdi

O amanhã eu não conheço

O hoje é muito tempo

Tudo o que tenho é o agora


Texto:  Rodrigo Longo



Share

Mãe fecha quarto com grades com medo de filho usuário de crack, no ES.

sinais da dependência química

‘Eu amo a minha mãe e tenho vergonha de ser usuário do crack’, diz filho.
 Homem já foi internado em clínicas de recuperação por diversas vezes.





“Se a droga acabar, acaba também a minha alegria, por que ele quer usar de qualquer jeito”, conta a mãe de um usuário de crack que mora em Vitória. Maria José Pereira Matias, de 64 anos, colocou grades na porta e na entrada de ar do quarto e fechou com lajotas a janela do cômodo para impedir a entrada do seu filho quando está sem usar crack.
 O filho de Maria José tem 32 anos e é dependente da droga há mais de 10. Segundo a família, o homem já foi internado em clínicas de recuperação por diversas vezes, mas sempre sai antes do tratamento terminar. Maria José contou que a última vez seu filho ficou internado por apenas dois dias, mas acabou fugindo do local.
 Após ser preso pela mãe, jovem viciado em crack é internado no ES
 “A assistente social da prefeitura de Vitória me disse que quando ele estiver agressivo, querendo a droga e não ter, é para eu sair de casa ou ficar trancada dentro do meu quarto. O que eu não posso é ficar na frente dele, por que meu filho pode ficar perigoso e fazer certas coisas que vai se arrepender depois”, contou a mãe.
 Para Maria José, seu filho precisa de ajuda. “Ele não é um filho ruim, ele é um filho bom, mas a droga deixa ele desse jeito. Quando ele está usando o crack fica ótimo, feliz e conversa comigo, mas se a a droga acabar, acabou a minha alegria, por que ele quer usar de qualquer jeito. A pedra é terrível”, desabafou.
 O usuário, que não quis se identificar, contou à reportagem que tem vergonha de usar a droga, mas não consegue parar. “Eu amo a minha mãe e tenho vergonha de ser usuário do crack. Sinto vergonha de olhar a pedra derretendo no cachimbo, é uma cena que eu não gosto, mas não consigo evitar. Eu tento fazer tratamento mas não consigo”, disse.
 Dentro da geladeira, a mãe deixa apenas o essencial. “Se tiver alguma coisa boa ele troca por pedra. Eu vivo pela misericórdia de Deus, é muito sofrimento”, declara.


Fonte: Clínica Alamedas

Share

Drogas e álcool podem afetar a vida sexual do homem por anos.

alcoolismo
Ao invés de semanas, os efeitos de drogas e álcool na vida sexual do homem demoram anos para sumir.

Ver mais…

Não é novidade que o uso de drogas e uso abusivo de álcool interferem na performance sexual do homem. No entanto, ao contrário do que se pensava, os efeitos não duram algumas semanas, e sim anos. As informações são do Daily Mail.

Em um estudo da Universidade de Granada, na Espanha, e da Santo Tomas University, na Colômbia, publicado no Journal of Sexual Medicine, foram analizados 906 homens. Deles, 550 foram diganosticados com certo grau de vício ao álcool, cocaína, heroína, maconha, speedball uo uma combinação dos fatores. Mas nenhum era dependente na época em que o estudo foi realizado.
Os outros 356 participantes nunca haviam experimentado drogas ou bebido muito.
Foram avaliadas quatro áreas da vida sexual: desejo, satisfação, ereção e orgasmo.
Efeitos
Os usuários de drogas tiveram performance moderada a ruim, em comparação a quem nunca havia usado nada.
Usuários de cocaína têm desejo alto durante o pico de atuação da droga. Usuários de speedball têm mais prazer, mas um desejo menor.
A cocaína, por sua vez, atrasa ou inibe a ejaculação.
Além disso, foi observado que os efeitos do álcool e das drogas levaram anos para pararem de fazer efeito.

Fonte: http://clinicaalamedas.wordpress.com/
Share